Pesquisar

Três anos em três dias

                                            

Nunca gostei de despedidas. Mas foi assim que ele me disse adeus. Numa madrugada de meus desabafos sobre seus defeitos ele resolveu que iria partir. Três longos dias de conversa tentando resolver o imprevisto que depois viraram um mês de conturbações e discussões. Estava convencido de que era um tremendo canalha e não poderia me machucar de forma alguma. Confesso que já vacilei com ele muito mais do que o oposto. E olha, que ele sempre foi o badboy e eu a "mimada" como ele dizia, só para me irritar. Tantas coisas foram ditas...Tentei convencê-lo de que essa ideia de seu medo sobre um futuro incerto era um desperdício de tudo que sentíamos e construíamos. Falei e repeti todos os meus argumentos e de nada adiantou. Uma prova de amor linda esse seu sacrifício, porém um sacrifício à toa. Pedi que ele se amasse mais, se cuidasse e pensasse mais nele... Mas ele não tirava a ideia de que queria o melhor para mim e disse que me amava, como uma irmã, repetidas vezes. Mas ele não entendia, ou não se achava bom o suficiente para aceitar que o melhor para mim no momento era ele ao meu lado como sempre foi nesses últimos três anos, e eu realmente não estava me preocupando com o futuro. Disse que eu não iria deixar de ser quem eu sou para ele. Disse que eu não estava perdendo-o e que ainda seriamos amigos. Disse para eu não me preocupar com ele, mas eu sei como ele vai se perder... Dói. Dói não ter ele. Dói ter que aceitar uma decisão que não é minha. Dói saber que ele não quer isso. Dói pensar na dor dele. Dói pensar no modo como ele vai cair nas bebidas. Dói pensar que ele já estava mal pela ex e agora deixou a melhor amiga. Uma saudade sem tamanho. Uma pena de um sentimento recíproco e tão lindo ser deixado desse jeito. Ah, porque a gente se ama demais, aquele amor que acolhe, protege e um faz tudo pelo o outro. A gente se somava, a gente era único. A gente tem é muita história, muitos obstáculos vencidos e alguns para vencer, muitas alegrias, muitas brigas e principalmente, muitas diferenças. Apaixonei-me imensamente pela conquista de ter criado algo exclusivo e mágico com ele. Ainda tenho a foto do desenho da rosa que fez para mim, e pretendia encontrá-lo para dar-me o desenho real para eu guardá-lo comigo, para sempre... Ele era meu anjo da guarda. Eu era seu porto seguro (ou terapeuta com consultas grátis, se preferir). Ele era o Wikipédia sobre mim (tão stalker que descobriu meu ultimo sobrenome e nem sei como). Eu era o seu diário. Ele era minha criança - aff tão imaturo-. Eu era sua "certinha demais". Ele era meu estressado. Eu era sua doidona. Nós éramos irmãos de pais diferentes, nós éramos duas peças de quebra-cabeça distintos que pelo destino se encaixaram. A gente se fazia feliz, muito feliz, apesar das brigas, birras, e mil e um obstáculos que fariam qualquer um desistir e cair fora... A gente era Romeu e Julieta amigos. A gente era. Talvez a gente seja. Talvez o tempo mostre que ele está certo. Talvez o tempo nos una de novo...E ele disse para eu ficar bem. E eu disse que daria Feliz Ano Novo para ele no dia seguinte. - Luísa Monte Real

Um que é tudo

Uma margem distante. Um mar gigante. Um pôr do sol apaixonante. Um Sol radiante. Uma noite brilhante. Um vento cantante. Uma chuva refrescante. Um cabelo esvoaçante. Um olhar penetrante. Um abraço confortante. Um toque arrepiante. Um sorriso significante. Uma lágrima gritante. Um grito calante. Um neurótico guerreante. Uma pessoa importante.Um alguém deslumbrante.Um crescimento interior do errante. Um momento marcante. Uma data significante. Esses são valores. Valores não tem preço, formato nem cores... Valores são sentimentos, muitas vezes, vindos de dores. Pessoas podem ser meras pessoas. Mas pessoas são quem dão luz a esses valores (nós não somos iluminados, nós iluminamos). Pessoas que são tão você que não há como lembrá-las, pois elas são como plano de fundo da alma. Um amor sem medo de amar. Um amor vibrante. Um amor de prima. Um amor de amiga. Uma raiva de inimiga. Um perdão divino.  - Luísa Monte Real 
(Legenda: Frases do rapper, cantor e compositor carioca Filipe Ret

A gente é da gente

     O especial de ser gente é dar-nos a chance de experimentar diferentes sensações e sentimentos. Algumas pessoas passam na nossa vida quase que sem perceber, é verdade. Outras até marcam sem nem saber da nossa existência. Outras marcam com gestos simples. Outras marcam com gestos grandes. Outras marcam de uma maneira positiva. Outras marcam de uma maneira negativa. Outras marcam de forma tão singular, contagiante e mágica que nós nunca nos imaginaríamos sem. A grande verdade é que coincidências e regras não existem. Não necessariamente opostos se atraem e iguais se repelem. As diferenças podem ser conhecimentos somados e as igualdades, personalidades lutando por um mesmo espaço. As diferenças podem ser discussões insuportáveis e as igualdades, brilho nos olhos por se ver no outro. É que cada um passa se encaixando como peças de quebra-cabeças. Uns  encaixam perfeitamente e outros quase nem encostam. E no final de tudo, cada pessoa é para você o que você, junto com o tempo, deixa ela ser. – Luísa Monte Real

Eu e você

Você é meu e eu sou sua. De uma maneira espontânea e natural. Quase que sem querer. Somos sem ninguém ter pedido ou insinuado ser...Sem compromissos ou cobranças. Não porque não nos importamos, mas porque não é necessário controlar algo que tão livremente corre ao ponto de perceber que somos nossos, somente depois de já termos nos tornado. - Luísa Monte Real 

Aquela amiga

Aquela amiga...Que nem as palavras “amiga”, “irmã”, “prima”
Demonstram sua significância.
Aquela amiga de distância,
Que a saudade forte alcança,
Mas que o amor só cresce em abundância.
Aquela amiga de infância,
Que guarda uma linda criança.
Aquela amiga que décadas podem passar
Que ela ainda terá a mesma importância
Aquela que é de sangue,
Mas amiga por opção.
Muito sentimento no coração.
Brigas sem razão,
E nem mesmo desculpas precisarão
Para haver uma reconciliação
E logo se entenderão.
Porque muito tempo sem se falar
Não aguentam, não
Aquela amiga que é de todo dia.
Aquela amiga que traz alegria.


- Luísa Monte Real 

Desejo à estrela cadente

Realizar um sonho. Fazer aquilo que ama. Cumprir uma meta. São coisas que trazem uma felicidade de escorrer pelos olhos. Porém, nada mais gratificante como lutar, dar o seu melhor, esgotar sua energias e no final receber aquilo que se esperou tanto ter. Vibrar, gritar, rir e chorar por ter chegado ao final da corrida e ainda vencer a partida. Ver o reconhecimento das pessoas que você mais ama e que estiveram a todo custo ao seu lado te dando forças para correr atrás e não desistir daquilo que desejava tanto. Aquela alegria que bate e fica, que causa angustia por querer que ela não acabe nunca mais. Aquela que no dia seguinte você acorda e é a primeira coisa que vem à sua cabeça já fazendo você ganhar o dia. E na memória ela permanecerá dentre muitos sonhos e conquistas que ainda estão na espera de serem realizados. - Luísa Monte Real

Escrever

Escrevo para enxergar. Escrevo para entender. Escrevo para organizar a confusão que a minha cabeça faz. Escrevo para me analisar. Analisar a situação. Analisar o outro. Tenho uma sede de escrever para entender tudo, entender o mundo. É como se as palavras deixassem tudo arrumado para eu conseguir enxergar o que é sujeira e o que é útil. Percebo os mínimos detalhes. Escrevo tudo o que eu sinto, sem regras ou hesitações. Escrevo minhas intuições, meus pensamentos e até mesmo tento expor os dos outros. Pessoas são complexas demais para se entender de verdade, mas quando escrevo... É como se eu conseguisse finalmente interpretá-las e confortar meus "porquês" de suas ações. Escrevo para me livrar e me libertar. Sinto-me leve quando escrevo a maior das confusões, e essa é a intenção. - Luísa Monte Real

Textos mais queridos 🍒